Indo às compras. Mas sem neura

Você precisa mesmo do que vai comprar?

Na maioria das vezes a compra é movida por um impulso interno que nada tem a ver com o produto adquirido. O que está por trás do consumo? O que de fato queremos comprar?

Compramos coisas, muitas vezes desnecessárias, pra nos sentir mais seguros e poderosos. Mas, e aí? Será que resolve? Temporariamente talvez, mas logo será preciso outra coisa, depois outra e outra. É que a questão básica, a nossa auto-estima, não foi trabalhada. E é isso que realmente precisa ser nutrido. Cuidar melhor do que realmente é essencial, do que de fato precisamos mudar em nós, dentro e fora. Melhorar nossa relação com as pessoas, fazer coisas que nos tragam alegria, coisas que nos façam sentir criativos, produtivos e onde nosso verdadeiro poder pessoal se apresente. Nem um carro possante vai garantir isso, nem um vestido maravilhoso ou mobílias novas vão de fato mudar como me sinto em relação a mim mesmo.

Somos bombardeados por propagandas que nos vendem não margarinas, mas a família feliz, não o novo tênis, mas o corpo perfeito e a juventude, não o modelo novo de um carro, mas o poder. As coisas prometidas não podem ser compradas, elas têm de ser conquistadas. Temos que mudar hábitos, refazer pactos com nossa vida, família e, até, conosco. Reconhecer nossas conquistas, habilidades, nossas características e acreditar em nossos projetos. Apropriar-se do que é bom em nós, valorizar o que temos e transformar o que é preciso mudar.

Epicuro, filósofo grego, dizia sabiamente que para ser feliz é preciso desejar e querer coisas possíveis. Se desejamos coisas fora da realidade vamos nos frustrar. Isso não quer dizer conformismo. Podemos e devemos desejar o melhor para nós em todos os sentidos. Mas desejar o que pode ser realizado. Assim, seremos mais felizes. Dando um novo significado pra vida com valores verdadeiros, dando importância ao que é de fato importante, muitas coisas perderão o sentido, perderão seu falso poder.

Porque poder mesmo, de verdade, é poder optar e saber se é importante ou necessário o que estou adquirindo, se é para meu conforto real ou se estou camuflando coisas que precisam ser vistas.

Nós somos, quase sempre, mais interessantes do que reconhecemos.

(Publicado originalmente no jornal Metrô News / São Paulo –  6/8/2010)

Uma resposta

  1. Olá Kika, parabéns pelo texto. sou locutora de uma rádio comunitária em Cruz das Almas na Bahia e farei uso do mesmo no meu programa, dando o seu devido crédito. O meu programa é de domingo a quinta das 21h até a meia noite. acesse: http://www.radiosantacruzfm.com.br Um abraço, Meyre Kal.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: